segunda-feira, 9 de julho de 2012

Saudade. Destino: voltar.



Na noite fechada
a vida pode rebentar.
Na sombra da lua dada,
quem vai poder reclamar?

Quem vai poder reclamar?
Se é clarão, luz domada,
dada luz a proclamar
sua vida calada.
...
.
...
As estrelas todas,
Nós todos a anunciar:
tudo é sombra ou nada.
Quem vai poder reclamar?

Quem vai poder reclamar?
Não a mão tão inventada,
que devia descansar,
sempre brotada.



21 comentários:

  1. Hola Gilson. Es un poema bello para acompañar un retrato tan delicado. Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola Sonia, quanta honra!
      "...retrato tan delicado." Me assustas así. Usted es una profisional !! Yo me quedo a pasar las ansiedades al papel, nada más. Pero cuando me dices tal cosa, me preocupa (risos).
      Abrazos y gracias por palabras tan amables.
      Gilson.

      Excluir
  2. Very nice Gilson. Wishing you a wonderful week. xo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you Nancy. I need a wonderful week.
      xo.
      Gilson.

      Excluir
  3. Um retrato caricaturado de tristeza, parece-me.

    Um abraço e bom descanso se fôr o caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Paula, pela visita e tão atento comentário.
      Abraços.
      Gilson.

      Excluir
  4. OI GILSON!
    ESCREVES LINDAMENTE, PORQUE NOS ATINGE O CORAÇÃO, MAS, POR SEREM METÁFORAS, MUITAS VEZES NÃO ALCANÇO SEU ENTENDIMENTO.
    PORTANTO O QUE POSSO DIZER É QUE ME ATINGIU, É LINDO.
    MAS, NÃO VAI AÍ NENHUMA CENSURA, ATÉ PORQUE, POETA ESCREVE O QUE LHE VAI NA ALMA E NÃO NA CABEÇA.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lani, descreves como me sinto quanto visito teu espaço: mensagens que se entendem por imagens. O que sintia quando escrevi o texto era um corpo de mulher, esse primeiro relógio humano. Nossa mais antiga ampulheta. Tenho saudades de uma, especificamente. Obrigado pelas generosas palavras que deixas aqui sempre que vem.
      Abraços.
      Gilson.

      Excluir
  5. Dois globos, dois mundos sem pólos, sem equador(es), mas ligados por pontos diminuindo para um único (imagem formal do texto). Deixa o ponto rebentar sem reclamar, porque na vida nem "tudo é sombra ou nada". Há também o eixo imaginário sobre o qual se gira . Há rotação mas/e translação.

    Beijo

    Laura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este ponto é um nó. Laura, que não desata, não desata. Mesmo que se vire a ampulheta, lá está o ponto, marcando o instante em tudo ficou preso, atado. É quase um desatino.

      Obrigado pela leitura atenta e pelas palavras de incentivo que sempre manifestou aqui. Veja só o que me fica: você hoje escreveu que não estava para escrever nada (eu li). Mesmo assim, você vem aqui me escrever palavras tão generosas...

      Comovido, agradeço.
      Beijo.
      Gilson.

      Excluir
  6. Gilson,
    A grafia do seu poema faz lembrar duas bolas de sabão que tanto prazer dão por serem tão frágeis. Mas o seu poema não é frágil, pelo contrário é um grito rasgado numa noite de luar.
    Abraço! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um grito contra o tempo, Ana, que leva as bolas de sabão, tão sonháveis.
      Abraço! :)
      Gilson.

      Excluir
  7. Ninguém vai reclamar de palavras tão belas...
    Hoje minha irmã faz anos: há festa!
    Bj

    ResponderExcluir
  8. As mãos também não podem reclamar: elas têm que trabalhar, para existam festas. Abraços na sua irmã, BlueShell, mesmo de tão longe. Uma noite feliz para todos.

    Obrigado pela visita, pelo comentário tão simpático e pela notícia de há festa!!

    Bj.
    Gilson.

    ResponderExcluir
  9. Gilson, esse baú de sentimentos está muito cheio!
    A noite propicia a sua expressão. Se a noite falasse e nos contasse aquilo que a escuridão lhe mostra como seriam belos alguns momentos.
    Um abraço e parabéns.Vitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitor,
      quanto honra este humilde espaço a tua visita e tão precioso comentário.

      Como você está certo! "Vemos" melhor à noite...

      Um abraço, amigo.
      Gilson.

      Excluir
  10. Olá!Boa noite!
    Tudo bem?
    ...a noite fechada afloram os mais puros sentimentos na folha branca...Mas, a verdade é que com a saudade voltando, não há esforço que faça surgir no céu uma lua prateada, com estrelas brilhantes e o silêncio que nos conforta.Tudo vai fugir pela linha do horizonte e vai nos deixar só, prontos para desistir... Adeus...Vem reclamação...
    Obrigado pela visita e participação em meu blog!
    Muito feliz!
    Boa quarta feira!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Junior, boa noite!
      Feliz me sinto eu pela honrosa visita e por se deter a ler tão atentamente esses fósseis de sentimento que aparecem em palavras tão silentes. Se virássemos a ampulheta, talvez tudo voltasse, e o ponto coincidiria com o horizonte, bem no instante, bem no meio dos dois nadas.
      Grande abraço e é com muito satisfação que o vejo seguindo este humilde espaço.
      Fica com Deus.
      Abraço.

      Excluir
  11. Te deixo uma cançao

    http://www.youtube.com/watch?v=APyncDBL-_0


    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina má. Isso é judiação (risos).
      Mais, voilà, les jours sont toujours le même, si quelqu`un a aimé un jour. Pour tous les jours il y a un retour.
      Merci, Margoh.
      Dormez bien, avec les anges. Faites de beaux rêves !!
      Gilson.

      Excluir
  12. Maravilha de poema! Não consigo milimetrar nada, mas admiro quem o faça. Obrigada pela visita no Confissionarium.
    Um abraço.

    ResponderExcluir