segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Tintas

Óleo sobre tela (Pintura e foto: Imaginário)

Óleo sobre tela (Pintura e foto: Imaginário)




Sozinho ou mal acompanhado, antes sóbrio do que bêbado.
 __...

Todas as línguas juntas não conseguem formar uma única frase de sonho.
 __...

Quem cospe para cima é melhor que esteja em movimento.



domingo, 11 de novembro de 2012

Horas e linhas

Goiânia-GO (Foto: Imaginário)

Goiânia-GO (Foto: Imaginário)

Fazenda em Minas Gerais (Foto: Imaginário)

Rio São Francisco em Pirapora-MG (Foto: Imaginário)

Rio São Francisco em Pirapora-MG (Foto: Imaginário)

Rio São Francisco em Pirapora-MG (Foto: Imaginário)


Estrada em Goiás (Foto: Imaginário)

Quando percebia havia passado horas observando as linhas das palmas de minhas mãos. Pensava no prolongamento delas, cada ponta se estendendo, abrindo-se, espalhando no vazio a necessidade do encontro. A eternidade é um espaço e o infinito é isto mesmo: nada. O fato é que às vezes consigo pensar em tudo em menos de um segundo e, o que é mais comum, ficar horas e horas pensando em nada.




Missa das onze e meia



N.Sra. da Conceição, Congonhas-MG (Foto: Imaginário)


No centro da celebração, duas viúvas:

“Então, Elias se levantou e se foi a Sarepta; chegando à porta da cidade, estava ali uma mulher viúva apanhando lenha; ele a chamou e lhe disse: Traze-me, peço-te, uma vasilha de água para eu beber. Indo ela a buscá-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me também um bocado de pão na tua mão. Porém ela respondeu: Tão certo como vive o SENHOR, teu Deus, nada tenho cozido; há somente um punhado de farinha numa panela e um pouco de azeite numa botija; e, vês aqui, apanhei dois cavacos e vou preparar esse resto de comida para mim e para o meu filho; comê-lo-emos e morreremos. Elias lhe disse: Não temas; vai e faze o que disseste; mas primeiro faze dele para mim um bolo pequeno e traze-mo aqui fora; depois, farás para ti mesma e para teu filho. Porque assim diz o SENHOR, Deus de Israel: A farinha da tua panela não se acabará, e o azeite da tua botija não faltará, até ao dia em que o SENHOR fizer chover sobre a terra. Foi ela e fez segundo a palavra de Elias; assim, comeram ele, ela e a sua casa muitos dias (Reis 1, 17, 10-15).

"E, estando Jesus assentado defronte da arca do tesouro, observava a maneira como a multidão lançava o dinheiro na arca; e muitos ricos lançavam muito. Vindo, porém, uma pobre viúva, lançou duas pequenas moedas, que valiam meio centavo. E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva lançou mais do que todos os que deitaram na arca do tesouro; porque todos ali deixaram do que lhes sobrava, mas esta, da sua pobreza, deixou tudo o que tinha, todo o seu sustento" (Marcos 12, 41-44).




____

“No episódio do óbolo da viúva no Templo de Jerusalém, Jesus se mostrou, ainda uma vez, um Mestre admirável ao elogiar o gesto de uma pobre mulher, mostrando que seu donativo de pequeno valor estava acima de todas as outras ofertas daqueles  que depositaram vultosas  quantias.

Explicou então: “Todos deram do que tinham de sobra, enquanto ela, na sua pobreza, ofereceu tudo aquilo que possuía para viver” (Mc 12,44).. Não sabemos nada acerca desta mulher, nada sobre suas alegrias ou tristezas, nem das dificuldades para ajuntar as duas moedas. Sabemos somente que as viúvas da época de Jesus estavam entre as mais pobres do povo. Não tinham nenhum lugar garantido para morar, nem nenhuma fonte de renda.

Estavam destinadas praticamente à mendicidade. Entretanto, o que nos deve prender a atenção não é tanto a diferença entre a doação de uma daquelas viúvas e a dos outros, mas o significado daquele dom. Ela estava completamente sem recursos materiais, mas deu tudo que ela tinha para viver. Jesus se serviu do acontecimento para ensinar a seus seguidores a não julgar apenas pelo exterior. O Pai do Céu vê o que está secreto no íntimo do coração. Isto basta. Esta lição interpela a todos os cristãos que vivem o contexto atual onde o aparecer é que predomina. Tudo que se faz deve cair no conhecimento de todos.

A viúva do Evangelho, porém, é bem a imagem das pessoas muito simples que estão ao nosso lado sem que as vejamos. Na sua discrição passam despercebidas. Por isto, a caridade de muitos se transforma num espetáculo e os pequenos gestos de serviços são deixados de lado, a ajuda aos deserdados fica esquecida. O importante não é o quanto se doa, mas a intenção com que se oferta e a postura religiosa do ofertante.

O governo que arrecada trilhões através dos impostos vive apresentando na mídia suas realizações mirabolantes, enquanto milhares de brasileiros continuam na miséria, carentes de uma boa assistência para a saúde, lhes faltando tantas vezes o mínimo para sobreviver. Para cada cristão Jesus está a lembrar que cumpre aprender a viver sob o olhar de Deus que vislumbra globalmente os mais necessitados e também o motivo de toda e qualquer assistência, a razão de ser da esmola que é dada. Cristo questiona o critério da generosidade, mesmo porque, de um modo geral, muitos políticos nunca tiram de suas posses, mas daquilo que advém dos cofres públicos. O gesto espontâneo e gratuito não deve ser coisa devida ou a exigir contrapartida. Deve provir da fonte nobre do amor e da solidariedade sincera.

A pobre viúva ofertou o que tinha porque ela se doava a Deus, confiava em Deus a quem desejava honrar com aquela doação tão simples. Os que fazem ofertas com ostentação nada contam diante do Ser Supremo. Aliás, que vale uma esmola que não priva a pessoa de nada? No contexto histórico atual no qual impera a rentabilidade tudo isto merece ser refletido. É preciso que se combatam as visões egoísticas e interesseiras. Por força de vivermos num mundo onde tudo é contado, medido, calculado,  contabilizado, se acaba, sem querer, a julgar as coisas em função do peso que dá a economia, em função da influência que o poder exerce. 

O critério é a quantidade e não a reta intenção e, por isto, a pessoa  humana fica desvalorizada. As aparências, contudo, não impressionam a Deus, que olha o íntimo do coração. A qualidade do coração do que dá é que vele e não a quantidade e os motivos meramente humanos. Deus quer que assistamos o próximo não apenas com o supérfluo, mas, sobretudo, com aquilo que é fruto de sacrifício, de privação voluntária do que é inútil na vida de cada um. É preciso, portanto, isto sim, investir tendo em vista o Reino de Deus, o amor ao semelhante e a paz social. Jesus veio mudar as ideias habituais sobre o dom, sobre a riqueza e a pobreza. Alguém pode ter muitos bens e ser pobre de coração ou alguém pode  possuir pouco mais ter um coração rico.

O que vale não os valores terrenos, o conforto, o dinheiro, nem mesmo o que não se tem, a própria fragilidade, mas a postura de desambição, de desapego de tudo, valorizando-se apenas aquilo que esteja imbuído de um sincero amor a Deus e ao próximo. Isto leva à imitação cabal do Filho de Deus que ocultou até de sua divindade, levado pela dileção imensa por toda a humanidade. Ele conhece o fundo dos corações e as intenções de tudo que se faz”.

Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho. Fonte: Arquidiocese de Mariana-MG (http://www.arqmariana.com.br/?p=24095).



sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Linhas e pios



O horizonte desaparecia, escurecendo, deixando clara a ilusão da fronteira entre o céu e a terra. No meio daquele ermo e da pesada noite que já caía, ouvi o pio de um passarozinho muito miúdo, da cor do chão. Era um sabiá-do-campo e estava pousado num galho seco da sucupira à esquerda da minha janela. Lembrou-me o João-de-barro, pela cor, mas era outro e sozinho. Não podia vê-lo como sombra ou aviso, era apenas a necessidade simples da leveza e da liberdade, o que aquele pássaro me trazia. Por um segundo ou dois trocamos olhares e ele se foi, para nunca mais, porque todos são iguais.

Foto: Imaginário



quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Umbigo do mundo


Sobre o mourão de uma porteira de cercado para bois e vacas,
um dia, há muito tempo, e longe,
foi deixado, sob chuva e
ofertado aos deuses,
por minha mãe
o meu
um
bi
go
se
co
...
..
.

Serra das Araras-MG (Foto: Imaginário)



terça-feira, 6 de novembro de 2012

Prêmio Dardos 2012


Entre surpreendido e contente, recebo do querido blog www.arteseescritas.blogspot.com.br a indicação para compartilhar o Prêmio Dardos 2012.

Este humilde espaço imaginário não se julga merecedor de prêmio algum e gostaria muitíssimo de compartilhá-lo com todos os seus seguidores, esses sim, suas verdadeiras riquezas e motivos para que ele continue existindo. As regras para receber o prêmio estão listadas a seguir e apenas para não quebrar nenhuma delas (especialmente quando se trata da regra 3 !) é que listo os quinze endereços para compartilhar esta distinção.



As regras:

1. Exibir a imagem do selo em seu blog;
2. Lincar o blog pelo qual recebeu a indicação;
3. Escolher outros quinze blogs a quem entregar o prêmio dardos
4. Avisar os escolhidos.
A seguir os meus indicados (e devo dizer que me custou para limitá-los a quinze):


Obrigado, Yayá !!
Grande abraço. Considerei a lembrança também como se me desculpasse pelo sumiço.